O estaleiro OSX e Imbituba

A batalha que está sendo travada entre Eike Batista (foto) e alguns setores sociais de Biguaçu-SC e Florianópolis-SC parece não ter fim.
Os órgãos ambientais também fazem sua guerra para se saber quem tem competência para aprovar ou não as licenças de liberação do projeto.
Grupos econômicos e políticos também se colocam em lados antagônicos.
A imprensa não entra fundo na discussão.

Os movimentos sociais buscam demonstrar os danos irreversíveis que o estaleiro OSX causará no meio ambiente da Grande Florianópolis.
Os empresários investem no sentido de provar que o estaleiro não causará todo o problema ambiental que está sendo ventilado.
No meio da guerra de informações heterogêneas, está uma grande população que pouco sabe do que está acontecendo, mas deseja que tudo seja resolvido, pois sonha com os milhares de empregos que estão sendo prometidos.

O que ocorre em Biguaçu não é um ato isolado. Não é só no Brasil que Eike Batista experimenta oposição a seus projetos. No Chile, onde pretende instalar a termelétrica MPX, há manifestações contrárias também. 

No início de abril, publiquei uma postagem intitulada Instituto Chico Mendes: estaleiro de Eike Batista pode ser construído em Imbituba. Quem leu deve ter acreditado que isso não passava de mera suposição. De lá para cá, muita coisa tem acontecido nos bastidores. Imbituba está mesmo na pauta de Eike Batista.
O maior problema do empreendimento em Imbituba seria área disponível para abrigar o estaleiro; foi o que ouvi dizer. O Porto de Imbituba seria o maior atrativo para o empreendimento.
Embora Itajaí seja uma das alternativas também, não creio que haja sucesso por essa via.

Com certeza que Imbituba será transformada em uma outra cidade, se o estaleiro for construído aqui. E nem consigo imaginar essa nova cidade. Mas uma dúvida paira sobre minha cabeça: a luta de trazer o estaleiro para cá não será inglória?
E não pensem que será como uma ICC, que poderá ser fechada como foi. Até porque a ICC era da União, era dinheiro público, simples de gastar; e o patrimônio pode-se abandonar.

Sei que novamente serei visto como alguém que só coloca obstáculos no futuro da cidade. Longe disso! Só quero ter a certeza de que haverá mais benefícios que custos para essa maravilha de cidade na qual vivemos. É bom destacar que quando falo em "maravilha" refiro-me às belezas naturais da Zimba.

Evidentemente que sei que nenhum empreendimento industrial é 100% inofensivo. E se queremos progresso teremos que arcar com certos danos. Como falei dia desses no twitter, com meu colega César de Oliveira, nossa vida não é feita de escolhas, mas de renúncias.

Numa cidade com tantos desempregados e outros mais - de todos os lugares - chegando a cada dia em busca dos empregos prometidos e se instalando em áreas públicas que nunca foram usadas para o desenvolvimento de Imbituba, é certo que pensar em meio ambiente por aqui é como se querer fazer greve de fome. Quem faz?

Imbituba, portanto, é um terreno fértil para plantar o estaleiro OSX. Bem localizada e com um porto na porta da casa para as atividades do estaleiro, só restará à população dizer amém.

Assim como a maioria dos imbitubenses, não gosto de ver os filhos desta terra migrando em busca de empregos, por falta de oportunidade na Zimba. Há quem imagine que eu não me preocupo com isso. Ledo engano. Só quero deixar clara a minha opinião: não sou favorável ao progresso a qualquer custo. Não adianta nos mostrarmos preocupados com o desmatamento na Amazônia ou com qualquer outro lugar de Santa Catarina, se não damos a mínima para o que acontece aqui. Isso é hipocrisia! Ou você acha que na Amazônia a população também não quer empregos e salários melhores, para usufruir também da modernidade que nós temos à disposição?

10 comentários:

  1. Pena,

    Realmente a questão do estaleio OSX em Imbituba é muito delicada.

    De uma lado temos as belezas naturais e a indústria do turismo, que não é explorada em Imbituba (dei algumas sugestões em outro comentário, http://blogpenadigital.blogspot.com/2010/07/turismo.html). A ICC fechou há quase 20 anos e cadê os empregados gerados pela "indústria do turismo"?

    A questão do turismo em Imbituba é míope, uma vez que não tem foco!!!

    De outro vértice, precisamos de emprego e desenvolvimento, pois de brisa ou do vento nordeste não sobrevivemos! Vejo muitas pessoas migrando para outras cidades atrás de oportunidades.

    Sem sombra de dúvidas a vinda do estaleiro OSX para Imbituba seria um avanço, no ponto de vista econômico. E, sob efeito cascata, viria universidades, escolas técnicas, teatro, cinema, e outros atrativos.

    O que queremos?
    Qualidade de vida?
    Desenvolvimento?
    Estabilidade financeira?

    Realmente, é muito difícil tomar uma posição, afinal, moramos num paraíso!

    ResponderExcluir
  2. Lindinha, é muito difícil nos posicionarmos sobre isso, principalmente quando a situação nos coloca entre a cruz e a espada. E como sei que gostarias de ter mais subsídios para embasar sua opinião, acesse este link http://migre.me/13fms.

    ResponderExcluir
  3. Como se vê abaixo, os problemas ambientais lá são muito mais consideráveis do que aqui.
    Por isso, não vejo razão da duvida, nem temor acerca da instalação de um estaleiro na Enseada de Imbituba.

    "- Perda de habitat e degradação ambiental: a dragagem gera uma alteração completa de fundo, uma nova topografia que será danosa aos recursos alimentares do boto-cinza, bem como as condições do habitat. Aponta que os impactos serão gravíssimos, permanentes e irreversíveis.
    - Perda sócio-econômica e paisagística: a destruição da fauna de fundo, devido a dragagem, afetará todas as comunidades humanas litorâneas do entorno do empreendimento, principalmente a pesca e a vocação turística de Florianópolis e região.
    - Poluição química: aumento de riscos de vazamento de óleo combustível devido a circulação de embarcações, que afetará a cadeia alimentar e as praias e populações da costa continental da Baía Norte, nos casos de vento nordeste. O vento sul lançará óleo sobre praias da Daniela e do Forte e sobre a Estação Ecológica de Carijós e APA Anhatomirim. O óleo das atividades industriais do estaleiro será conduzido ao mar, assim como os resíduos industriais, destacando-se o TBT (tributyltin), procedente de tintas anti-incrustrantes aplicadas nos cascos de navios e plataformas. Essa substância atua diretamente na supressão do sistema imunológico.
    - Poluição sonora: a implantação da obra, a dragagem e o tráfego de embarcações geram ruídos prejudiciais aos botos, podendo levar ao abandono da área, por atrapalhar a orientação, a comunicação e a busca de alimentos.
    - Pressões sobre a APA de Anhatomirim: sofrerá todos os impactos mencionados, no seu ecossistema como um todo."

    ResponderExcluir
  4. Cândido, só não descobri ainda onde seria instalado o estaleiro. A única área que me vem à mente é o bairro Vila Alvorada. Saberia me dizer se pretendem desapropriar todos os moradores do bairro? Ou a área é outra?

    ResponderExcluir
  5. Pena,

    A localização do estaleiro seria em Área de Expansâo Portuária, prevista no Plano Diretor do Municipio de Imbituba.

    Esta área se estende ao longo das Av. Manoel Florentino Machado e Av 13 de Setembro a partir de sua margem Leste até o mar.

    Por outro lado, acredito que a localização deste empreendimento não deverá ocupar toda esta área para não engessar outros projetos de expansão e ocupação portuária da Enseada de Imbituba previstos.

    ResponderExcluir
  6. Cândido, considerando que a área prevista de ocupação pelo estaleiro em Biguaçu é de 160 hectares, a área disponível no local apontado por você seria suficiente, mesmo desapropriando toda o bairro de Vila Alvorada?

    ResponderExcluir
  7. Pena,

    Ainda não verifiquei, mas 160 hectares é uma área enorme, equivalente toda aquela hoje disponível. Por outro lado, entendo que este empreendimento só poderá ser viável em Imbituba se a área necessária ao estaleiro for fracionada em duas partes. Digamos assim: Área principal - contígua ao Porto e uma retroárea de apoio situada as margens da BR 101.

    Sinceramente. Entre a expansão do Porto e a implantação do estaleiro sou mais a primeira opção.

    Um abraço,

    CPJ

    ResponderExcluir
  8. Sim, a área necessária é enorme. Penso que sua primeira opção impactará menos na questão social. Imagine todo o bairro de Vila Alvorada sendo desapropriado. Onde se colocará toda aquela população? Em Nova Brasília? Sem dizer que parte daqueles moradores já sentiram o problema na época da instalação da ICC. As pessoas comuns que estão desejando o estaleiro aqui ainda não pensaram nesse problema, até porque desconhece o tamanho desse empreendimento.

    ResponderExcluir
  9. Rafa Vieiraagosto 10, 2010

    Primeiro não é preciso uma área do tamanho de Vila Alvorada, por esse estaleiro que o sr. Eike vai construir, serão para embarcações de apaio a plataformas de gás e petróleo, que não são muito grandes, o estaleiro seria só para ,montagem do dos blocos ja prontos das embarcações.

    Quanto a beleza de Imbitubaum estaleiro nao mudar nada em imbituba a nao ser a praia do portoe mesmo assim só até o "molhe" mais ao norte ou 1° "molhe", o que não faz diferença nenhuma ja entre aqueles "molhes" tem esgoto a ceu aberto desde o tempo que Imbituba era de Laguna, tem a ICC e o porto "destruir" a ICC e o "vazante de esgoto" para por um estaleiro, seria no minimo um ganho.
    Só que como sempre tudo é politica, o beto vendeu a Imbituba para a Santos Brasil, qual o Interesse da Santos Brasil em trazer algo tão poderoso, como um Eike Batista, para compartilhar do néctar de nossa cidade?
    Niso põe o povo como sempre num dilema fácil de responder, mas que o povo de Imbituba por ignorancia sabe fazer, o que é melhor morrer de fome, ficar na miséria, não ter estudo, não progredir, por causa da nossa linda natureza, ou crescer, prosperar, ter educação, melhor qualidade vida financeira destruindo uma pequena parte dessa natureza?

    ResponderExcluir
  10. Rafa, o projeto do estaleiro em Biguaçu ocupará, sim, uma área de 160ha! Pesquise que verás. Como falei no post, sempre há um custo a se pagar diante de qualquer empreendimento industrial. O que não concordo com você é afirmar que perderemos "apenas uma pequena parte dessa natureza". Como não há nenhum levantamento ambiental feito em razão disso, não se pode afirmar que haverá um pequeno ou grande prejuízo ambiental. Pelo que li hoje, as atividades do estaleiro em Biguaçu funcionariam por cerca de 12 a 14 anos. Se isso for verdade, pergunto: o que se fará com toda uma imensa população adicional que migrará em razão do estaleiro e depois ficará a ver navios?
    Também não vou concordar quando afirmas que o povo imbitubense não tem conhecimento para saber escolher, até porque à população nunca se dará o direito de saber todos os problemas futuros que um empreendimento como esse poderá acarretar.

    E também não posso pensar como você que acredita que devemos sacrificar qualquer bem natural em troca de um punhado de dinheiro e outras promessas de progresso. Se os moradores do campo começarem a pensar dessa forma, certamente teremos à mesa menos alimentos a cada ano e a água será escassa. Não precisamos ir tão longe. Pergunte aos moradores do Vale do Rio D'una se eles gostariam de ter indústrias naquela região, para que eles possam ter mais dinheiro e qualidade de vida.

    Eu até penso que o governo deveria subsidiar as populações que vivem em áreas de preservação ambiental, pois não é justo que eles tenham que viver privações para que nós possamos viver melhor.

    Quanto à empresa Santos Brasil, é a primeira vez que ouço alguém reclamar. O Porto de Imbituba tem a preferência de apenas 2% dos empresários catarinenses. E esse percentual só foi alcançado com a chegada da Santos Brasil, cuja sua participação tributária mensal nas contas do município passa de R$ 1 milhão.
    A empresa explora atividades que já eram exploradas pela Companhia Docas. Logo, não vejo motivos para sua indignação.

    Obrigado por sua participação neste debate.

    ResponderExcluir

Seu comentário não será exibido imediatamente.

Para você enviar um comentário é necessário ter uma conta do Google.
Ex.: escreva seu comentário, escolha "Conta do Google" e clique em "postar comentário".

Caso você deseje saber se seu comentário foi respondido ou se outros leitores fizeram comentários no mesmo artigo, você poderá receber notificação por email. Para tanto, você deverá estar logado em sua conta e clicar em Inscrever-se por email, logo abaixo da caixa de comentários.

Eu me reservo ao direito de não aceitar ou de excluir parte de comentários que sejam ofensivos, discriminatórios ou cujos teores sejam suspeitos de não apresentar veracidade, ainda que o autor se identifique.

Comentários que não tenham qualquer relação com a postagem não serão publicados.

O comentarista não poderá deletar seu comentário publicado sem que haja justificativa relevante. Caso proceda assim, republicarei o teor deletado.


As regras para comentar neste blog poderão ser alteradas a critério do editor, o qual também poderá deletar qualquer comentário publicado, mediante justificativa relevante, sem prévio comunicado aos leitores/comentaristas.

Você assumirá a responsabilidade pelo teor de seu comentário.
Este espaço é livre e democrático, mas exerça sua liberdade com responsabilidade e bom senso!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Copyright © 2012 Pena Digital.